Australian people can buy antibiotics in Australia online here: http://buyantibioticsaustralia.com/ No prescription required and cheap price!

Consenso

USO DO MISOPROSTOL EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA
A obstetrícia e a ginecologia vivenciam a crescente utilização do misoprostol para indução do parto a termo, para o abortamento retido e feto morto, e para outras indicações, como o abortamento previsto em Lei e hemorragia pós-parto. A literatura médica aponta questões referentes à dose, vias de utilização, indicações e contra indicações. Embora grande conhecimento científico tenha sido acumulado nos últimos anos, a saúde pública ainda assiste às graves complicações advindas do uso inapropriado do misoprostol.
Para uma reflexão consciente e consistente que envolva um grupo de atores com excelência no uso do misoprostol, o Ipas Brasil, e a Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro promoveram um evento no dia 3 de junho de 2005 no Rio de Janeiro.
Participaram do evento: Dr. Aníbal Faundes (Comissão de Direitos Sexuais e Reprodutivos da FIGO); Dra. Anna Christina Willemsens (Coordenadora do Serviço de Aborto Legal da Maternidade Fernando Magalhães); Dr. Alexandre Baptista Trajano (Professor Titular de Obstetrícia da UERJ); Dra Gisele O’Dwyer (ENSP/FIOCRUZ); Dr. Luiz Guilherme Pessoa da Silva (Chefe da Maternidade Pro-Matre); Dr. Marcus Dias (Coordenador de Saúde da Mulher do Município do Rio de Janeiro); Dr. Jefferson Drezett (Hospital Pérola Byington – SP), Dra. Leila Adesse (Diretora de Ipas Brasil).
O evento contou com 3 mesas-redondas, na parte da manhã, que apresentaram os seguintes temas: 1)
Misoprostol no abortamento previsto por lei, aborto retido e abortamento incompleto; 2) Misoprostol na
indução do parto a termo; 3) Misoprostol na profilaxia e tratamento do sangramento pós-parto. Na parte da
tarde, os convidados foram divididos em 3 grupos que discutiram e elaboraram um relatório final,
denominado Consenso do Rio de Janeiro.
Consenso do Rio de Janeiro - Relatório Final
Introdução
O misoprostol se destaca como um importante elemento dentro da atual ginecologia e obstetrícia. Nas situações de abortamento previsto por Lei, o misoprostol representa uma alternativa para garantir o abortamento em condições seguras e acessíveis para a mulher em situação de violência sexual, ou para a gestante com risco de morte ou que vivencia a gestação com anomalia fetal grave e incompatível com a vida. No aborto retido ou no óbito fetal intra-uterino as aplicações são igualmente importantes. Mais recentemente, deve-se reconhecer a aplicabilidade e a segurança do misoprostol na indução do parto a termo e seu papel potencial na redução das taxas de cesáreas.
Contudo, a grande diversidade de esquemas de administração do misoprostol, bem como a falta de um protocolo de utilização de consenso, tem levado a situações cada vez mais freqüentes de uso inapropriado. A situação se agrava na medida que se verifica que parte dos profissionais de saúde ainda tem escasso conhecimento ou pouca capacitação para utilizar o medicamento. Além disso, algumas aplicações do misoprostol em ginecologia e obstetrícia ainda demandam maiores investigações para serem incorporadas (ou não) nas rotinas dos serviços de saúde.
Este consenso teve como objetivo reunir os principais atores envolvidos com a prática clínica de utilização do misoprostol em ginecologia e obstetrícia. A discussão proposta pretendeu abordar dois aspectos da utilização do misoprostol: um aspecto técnico e científico referente às indicações, doses, vias e tempo de utilização; e um aspecto contextual referente aos limites e possibilidades de uso do medicamento. Para cumprir esse objetivo foram incluídos no grupo de participantes, além de especialistas e chefes de serviços, gestores municipais e estaduais (da saúde da mulher e da vigilância sanitária) e pesquisadores do misoprostol.
Como produto do trabalho obteve-se uma recomendação clínica de utilização do misoprostol nas situações e problemas a serem enfrentados. Em relação a esse cenário a ser modificado, duas recomendações se destacaram durante o consenso. Primeiro, que os hospitais que atendem o maior volume de violência sexual contra a mulher e oferecem o abortamento previsto por Lei, a maioria estabelecidos nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, não podem sofrer desabastecimento do misoprostol nem restrição de apresentações. Segundo, o diagnóstico de que a ausência de farmacêutico como responsável técnico em hospitais e maternidades, principalmente nas cidades do interior, têm restringido o acesso ao misoprostol e estimulado a compra irregular tanto por pacientes como por gestores e profissionais de saúde. Este relatório final representa a síntese dos principais temas discutidos.
1. Uso do misoprostol no abortamento previsto por Lei, abortamento retido e abortamento
incompleto.

1.1. Indicações nas situações de abortamentoAs seguintes situações de abortamento têm indicação do uso do misoprostol: a) abortamento previsto em Lei; b) abortamento retido; c) abortamento inevitável. Os casos de abortamento previsto em Lei devem atender ao previsto pelo Decreto-Lei 2848, incisos I e II do Artigo 128 do Código Penal Brasileiro, que incluem a interrupção da gravidez decorrente de violência sexual e nos casos de risco de morte para a gestante. Não existe suficiente evidência científica para recomendar, até o momento, o uso do misoprostol para tratamento de casos de abortamento incompleto.
1.2. Vias, doses, intervalos e tempo de utilização.
Embora se reconheça a efetividade do misoprostol quando administrado por via oral, sublingual ou retal, as
evidências científicas apontam a via vaginal como forma preferencial, aplicando-se os comprimidos nos
fundos de saco laterais. As doses a serem utilizadas dependem da idade gestacional. Até 12 semanas de
idade gestacional recomenda-se a dose total de 800 microgramas (mcg) em 24 horas, durante até dois
dias, em um dos seguintes esquemas: 800 mcg dose única; ou 400 mcg cada 12 horas; ou 200 mcg cada 6
horas. Entre 13 e 16 semanas recomenda-se a dose total de 400 mcg em 24 horas, durante até dois dias,
200 mcg cada 12 horas. Entre 17 e 22 semanas a dose deve ser reduzida para 200 mcg em 24 horas,
durante até dois dias, 100 mcg cada 12 horas. Após os dois dias de uso do misoprostol deve-se aguardar 72
horas pelo abortamento. Caso ele não ocorra, pode-se repetir o mesmo esquema de misoprostol,
considerando-se as condições clínicas e a concordância da mulher para manter o tratamento.
1.3. Critérios de acompanhamento e de interrupção do misoprostol.
As doses de misoprostol devem ser progressivamente reduzidas quanto maior a idade gestacional procurando-se adequar a menor dose efetiva possível. Recomenda-se que o misoprostol seja utilizado em regime de internação hospitalar. A interrupção do misoprostol pode ser feita em qualquer momento, caso seja esse o desejo da mulher.
Nesses casos, assim como nas falhas de tratamento, deve-se oferecer e garantir o acesso a outros métodos de interrupção da gravidez, como a aspiração manual intrauterina (AMIU) ou a dilatação e curetagem para os abortamentos de até 12 semanas de idade gestacional.
1.4. Indicação para a maturação do colo de útero.
O misoprostol pode ser utilizado para a preparação do colo de útero antes do procedimento de AMIU ou de
dilatação e curetagem. Nesses casos, deve ser administrado entre 4 e 6 horas antes do procedimento, na
dose única de 400 mcg via Vaginal.
1.4. Recomendação e cuidados.
A decisão do misoprostol como método de abortamento deve ser compartilhada entre profissionais de
saúde e a mulher, sempre respeitando sua autonomia de decidir de forma livre, consciente e informada. A
mulher também deve ser esclarecida sobre os eventuais efeitos desconfortáveis com o uso do misoprostol,
particularmente no que se refere a dor, e sobre as alternativas disponíveis de controle e redução desses
efeitos. Essas medidas são fundamentais para aceitação do método e para o preparo psicológico da mulher
antes de se iniciar o procedimento. Nas usuárias de DIU o mesmo deve ser retirado antes de iniciar a
administração da primeira dose de misoprostol. São contra-indicações para o uso do misoprostol: cesárea
anterior, cicatriz uterina prévia; abortamento infectado; e gravidez ectópica (suspeita ou Confirmada).
2. Uso do misoprostol na indução do parto.
2.1. Indicações para a indução do parto e para o amadurecimento do colo de útero. O uso do misoprostol pode ser feito nas situações de indicação obstétrica de interrupção da gravidez com feto vivo e sem comprometimento imediato da vitalidade.Também pode ser utilizado para a indução de parto com feto morto de termo ou prétermo.
2.2. Critérios de elegibilidade maternos.
Ausência de cicatriz uterina prévia ou de cesárea anterior. Contra-indica-se o misoprostol em casos de grande multiparidade.
2.3. Vias de administração, doses, intervalos e tempo de utilização.
Recomenda-se utilizar 25 mcg de misoprostol cada 6 horas, via vaginal. A administração deve ser iniciada
pela manhã e mantida até 20 horas (8-14-20 horas). Não se recomenda iniciar ou manter a indução do parto
com misoprostol após as 20 horas, pela maior dificuldade de manter rigoroso controle da atividade uterina e
da vitalidade fetal no período noturno. Caso não se obtenha sucesso, pode-se repetir o mesmo esquema de
tratamento no segundo dia. Se ainda assim não houver resposta deve-se avaliar a possibilidade de manter
esquema ou interromper a gravidez por outro método, sempre considerando as condições materno-fetais e
a concordância da mulher em manter o procedimento. A dose de 25 mcg pode ser insuficiente para a
interrupção de gestações com menos de 30 semanas de idade gestacional. Nesses casos, a dose pode ser
elevada para 50 mcg se não houver resposta satisfatória, mantendo os mesmos horários de administração.
Em se tratando de feto morto, a dose inicial de misoprostol deve ser de 50 mcg via vaginal, cada 6 horas.
2.4. Critérios de acompanhamento, recomendações.
Ocorrendo o início das contrações uterinas efetivas não se deve administrar novas doses de misoprostol. A associação concomitante do misoprostol com ocitócitos não deve ser realizada. O uso de ocitócitos, quando necessário, deve ser iniciado após 6 horas da última dose de misoprostol. A monitorização fetal, se possível eletrônica (cardiotocografia) é fundamental. Deve-se avaliar cuidadosamente os parâmetros de contratilidade uterina e atuar rapidamente nos casos de hiperatividade (decúbito lateral, tocólise, oxigenioterapia), de acordo com a rotina de cada serviço. As mulheres em indução de parto com misoprostol devem receber as mesmas rotinas estabelecidas pelo serviço para a assistência ao parto das demais mulheres.
3. Uso do misoprostol na profilaxia e tratamento do sangramento pós-parto.
Não existe suficiente evidência científica para recomendar, até o momento, o uso do misoprostol para o tratamento ou profilaxia do sangramento pós-parto. As medidas preconizadas de diagnóstico etiológico e as ações de intervenção imediata permanecem como elementos fundamentais na abordagem e tratamento dosangramento pós-parto.
4. Outras recomendações.
Além das recomendações sobre o uso do misoprostol em ginecologia e obstetrícia algumas considerações foram apontadas: 4.1. Considera-se necessário o estabelecimento de protocolos comuns para o uso do misoprostol frente a diferentes formas de utilização; 4.2. Identifica-se a necessidade de capacitação dos profissionais dos serviços de saúde que utilizam misoprostol em suas rotinas.
4.3. Gestores de saúde devem assegurar a disponibilidade do misoprostol nas dosagens apropriadas para cada situação, 25mcg para uso em obstetrícia e 200 mcg para uso em ginecologia.
4.4. Os procedimentos administrativos estabelecidos pela Lei para a aquisição regular do misoprostol devem ser amplamente conhecidos pelos gestores de saúde.
4.5. O Estado deve procurar rever os mecanismos para a aquisição do misoprostol. Cumpridas as exigências pelos serviços de saúde, a autorização deve ser concedida no menor prazo possível.
4.6. Para os hospitais e maternidades e que não disponham de profissional farmacêutico responsável pelo misoprostol, sugere-se que compra e a distribuição domedicamento seja realizada pelo Estado.
Este texto reproduz informações bibliográficas de referências médico-profissionais. A disponibilidade de quaisquer materiais e/ou fármacos eventualmente aqui citados deve observar a regulamentação das autoridades sanitárias no país.

Source: http://aads.org.br/arquivos/Consenso1.pdf

2008 annual report.wps

SYDENHAM HOCKEY CLUB INCORPORATED ONE HUNDRED & TENTH ANNUAL GENERAL MEETING The Annual General Meeting will be held in the Sydenham Pavilion, Sydenham Park at 7.30pm on Monday the 16th February 2008 SYDENHAM HOCKEY CLUB 1. Apologies INCORPORATED 2008 OFFICE BEARERS 2 . Confirmation of minutes of 11th February 2008, 109th Ladies Patron President

Untitled

Integrating people-centric sensing with social networks: A privacy research agenda Laboratory for Dependable Distributed Systems Abstract —During the last few years there has been an Spiekermann and Cranor [1], privacy by policy offers the increasing number of people-centric sensing projects, which minimum degree of protection and systems utilizing such combine location informa

Copyright © 2010-2014 Find Medical Article