Australian people can buy antibiotics in Australia online here: http://buyantibioticsaustralia.com/ No prescription required and cheap price!

Novafapi.com.br

PESQUISAS / RESEARCH / INVESTIGACIÓN
Interações medicamentosas entre psicofármacos em um serviço
especializado de saúde mental
Interactions between pharmacotherapy in service mental health specialist
Interacciones entre farmacoterapia en servicio especialista de salud mental

Márcia Astrês Fernandes
Farmacêutica. Enfermeira. Mestre em Enfermagem/ UFRJ. Doutoranda da Universidade de São Paulo O surgimento dos psicotrópicos representou grande avanço na prática clínica da psiquiatria e saúde – USP. Professora Adjunta da Universidade Federal mental. O presente estudo apresenta como objetivos, destacar as interações medicamentosas mais do Piauí – UFPI e da Faculdade NOVAFAPI. E-mail: frequentes em um serviço especializado de saúde mental no município de Teresina – Piauí e discutir medidas que possam diminuir o número de possíveis interações entre os psicofármacos. Trata-se de um estudo descritivo com abordagem quantitativa, realizado por meio da análise de 131 prescrições Cristiano Ribeiro Gonçalves Affonso
médicas de pacientes ambulatoriais no período compreendido entre os meses de janeiro a fevereiro Farmacêutico. Mestre em Farmacologia/UFPI. Perito de 2011. Na execução desta pesquisa as principais interações foram: diazepam e amitriptilina (21%), Criminal da Polícia Civil do Estado do Piauí.
fenitoína e fenobarbital (6%). A pesquisa permitiu constatar que as interações medicamentosas po-dem comprometer o tratamento, sendo importante que os profissionais de saúde conheçam os Lara Emanueli Neiva de Sousa
riscos dessas interações para evitar problemas na terapêutica e promover uma melhor qualidade Discente do Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí – UFPI. Participante do Programa Descritores: Psicotrópicos. Psicofarmacologia. Saúde mental. 
de Iniciação Científica Voluntária da UFPI. Membro do Grupo de Estudos sobre Enfermagem, Violência e ABSTRACT
The appearance of psychotropic represented great progress in the clinical practice of psychiatry and Maria das Graças Freire de Medeiros
mental health. The present study has as objective to highlight the most frequent drug interactions Farmacêutica. Mestre em Ciências Farmacêuticas/ in a specialized mental health in the city of Teresina - Piauí and discuss measures that can reduce the UFRN.Doutora em Biotecnologia RENORBIO/UECE. number of possible interactions between psychotropics. This is a descriptive study with quantitative Professora Adjunta da UFPI. Coordenadora do Curso approach carried out through analysis of 131 prescriptions for outpatients in the period between the de Farmácia da Universidade Federal do Piauí – UFPI.
months January-February 2011. In carrying out this research the main interactions were diazepam,
amitriptyline (21%), phenytoin and phenobarbital (6%). The research has found that drug interac-
tions may compromise treatment it is important that health professionals know the risks of these
interactions to avoid problems in the treatment and promote better quality of life for users.
Descriptors: Psychotropic. Psychopharmacology. Mental health.
La aparición de sustancias sicotrópicas, representan un progreso grande en la práctica clínica de psiquiatría y salud mental. El presente estudio tiene como objetivo poner de relieve las interacciones farmacológicas más frecuentes en la salud mental especializados en la ciudad de Teresina - Piauí y debatir las medidas que pueden reducir el número de interacciones posibles entre los psicotrópicos. Este es un estudio descriptivo con enfoque cuantitativo llevado a cabo a través del análisis de 131 recetas para pacientes ambulatorios en el período comprendido entre los meses de enero-febrero de 2011. Para llevar a cabo esta investigación fueron las principales interacciones diazepam, amitrip-tilina (21%), fenitoína y fenobarbital (6%). La investigación ha encontrado que las interacciones entre medicamentos pueden comprometer el tratamiento es importante que los profesionales de la salud conocen los riesgos de estas interacciones para evitar problemas en el tratamiento y promover una mejor calidad de vida de los usuarios.
Descriptores: Psicotrópicas. Psicofarmacología. Salud mental.
Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, Teresina. v.5, n.1, p.9-15, Jan-Fev-Mar. 2012.
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
medidas que possam diminuir o número de possíveis interações entre os psicofármacos.
1.1 Contextualização do Problema
1.2 Revisão sobre Psicofarmacologia
A partir da segunda guerra mundial, mais especificamente na dé- cada de 50 com a descoberta dos psicofármacos, a atuação dos profissio- As drogas psicotrópicas são definidas como substâncias que atuam nais no ramo da psiquiatria sofreu transformações significativas, deixando no sistema nervoso central produzindo alterações de comportamento, de ser executado um tratamento voltado para a loucura para dedicar-se humor e cognição, possuindo grande propriedade reforçadora, e assim a medicar as manifestações de sofrimento psíquico (GENTIL et al. 2007).
uma passividade para auto-administração (CARLINI et al. 2001). Na atuali- Essa mudança no panorama da psiquiatria possibilitou que vários dade os psicofármacos mais utilizados são: ansiolíticos e hipnóticos, anti- pacientes anteriormente condenados a passar o resto de seus dias na depressivos, estabilizadores do humor, anticonvulsivantes e antipsicóticos mendicância ou em asilos, fossem reintegrados às suas famílias, uma vez ou neurolépticos (GREVETE; CORDIOLI, 2000). que a partir dessa década foi iniciada a síntese de medicamentos psicoa- Os ansiolíticos e tranquilizantes são utilizados no tratamento tivos, que exerciam um bom controle dos sintomas das psicopatologias da ansiedade mais apropriadamente quando esta se encontra associada a outros distúrbios psiquiátricos como à depressão e ao distúrbio do pânico. Desta forma, atualmente as patologias psíquicas são tratadas com Atualmente, os inibidores da recaptação da serotonina e, principalmente, o uso simultâneo de vários medicamentos, o que resultou em uma prática os benzodiazepínicos são os fármacos mais indicados para tratamento da bastante comum e diretamente relacionada ao risco de interações me- dicamentosas. Essa politerapia é utilizada quando se deseja obter efeito Os benzodiazepínicos atuam como depressores do SNC produzin- terapêutico sinergético, acarretando assim uma maior eficácia no trata- do níveis de depressão, desde uma leve sedação até hipnose, dependen- mento (GREVETTE; CORDIOLI, 2000). Entretanto, as combinações medi- do da dose. Eles atuam por sua capacidade de promover a ligação do prin- camentosas podem resultar em interações medicamentosas indesejadas, cipal neurotransmissor inibitório o ácido γ-aminobutírico (GABA). Dentro desencadeando vários problemas e reações adversas.
desse grupo, destaca-se o clonazepam e o diazepam (GILMAN et al. 2003). As interações medicamentosas são alterações nos efeitos de um O clonazepam tem diversas indicações como o tratamento do medicamento em razão da administração simultânea de outro medica- transtorno do pânico, de crises mioclônicas e crises de ausências do tipo mento (interações do tipo medicamento-medicamento) ou do consumo epilépticas refratárias à succinimidas ou ácido valpróico . Enquanto o dia- de determinado alimento (interações do tipo alimento- medicamento). zepam está indicado no alívio sintomático da ansiedade, agitação e tensão Frequentemente as interações medicamentosas são indesejáveis e preju- decorrentes de estados psiconeuróticos e de distúrbios passageiros causa- diciais, todavia, em alguns casos os efeitos de medicamentos combinados dos por situação estressante. Entre seus efeitos colaterais estão a depres- podem ser benéficos (GILMAN et al. 2003). são respiratória, a queda da pressão arterial e o aumento da frequência O risco de ocorrência de interação medicamentosa depende do cardíaca (KAPLAN et al. 2007).
número de medicamentos usados, da tendência que determinadas dro- As interações medicamentosas desses fármacos em relação aos ou- gas têm para a interação e da quantidade administrada do medicamento. tros grupos farmacológicos são: a diminuição de sua ação pela carbama- A interação pode acontecer de muitas formas. Um medicamento pode, zepina, o aumento dos riscos de depressão respiratória quando associado por exemplo, alterar os aspectos farmacocinéticos de outro fármaco, como à clozapina e o aumento de seus efeitos de baixa da pressão sangüínea a velocidade de absorção, o metabolismo ou a excreção , resultando em quando associado a outros medicamentos hipotensores (KATZUNG, 2003).
alterações na concentração da droga no organismo e, consequentemente, Os antidepressivos são utilizados no tratamento da depressão falha na terapia ou efeitos tóxicos (RANG et al. 2001). maior (depressão clinicamente significante do humor e comprometimen- Um grande número de interações medicamentosas é possível, to da funcionalidade, podendo estar associada à psicose). Dentre as várias particularmente quando se analisam as drogas que atuam no sistema classes de fármacos desse grupo, destacam-se os antidepressivos tricícli- nervoso central como antipsicóticos, antidepressivos, anticonvulsivantes, cos e os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) (GILMAN, ansiolíticos e estabilizadores do humor. As associações envolvendo esses fármacos são bastante comuns; porém, nem sempre são possíveis de se- Os antidepressivos tricíclicos atuam aumentando a concentração na sinapse de norepinefrina ou de serotonina no sistema nervoso cen- Assim, devido ao grande número de possíveis interações nas as- tral, ao bloquear sua recaptação pela membrana neuronal pré-sináptica. sociações de medicamentos utilizados nas enfermidades mentais, faz-se A amitriptilina pertence a essa classe farmacológica, sendo indicada na necessário uma avaliação dos riscos dessas interações, bem como, das síndrome depressiva maior, na doença maníaco-depressiva, nos distúrbios possíveis medidas para diminuir o número dos efeitos indesejados. O ide- depressivos na psicose e em estados de ansiedade associados com de- al seria que todas as interações pudessem ser evitadas, mas considerando pressão (SCHATZBERG et al. 2009).
que nem sempre é possível a substituição de medicamentos que evitem a As interações medicamentosas desse fármaco são: a diminuição ocorrência das interações entre grupos farmacológicos, torna-se necessá- do limiar para crises epilépticas exigindo aumentos de doses de anti- rio o esclarecimento da ação e da indicação desses grupos farmacológicos, convulsivantes, a diminuição de sua ação pelo fenobarbital e pela car- bem como, de suas possíveis interações medicamentosas.
bamazepina. Além do aumento de reações adversas quando associada à Ante o exposto, o presente estudo apresenta como objetivos des- clozapina, haloperidol ou fenotiazidas e o aumento dos riscos de reações tacar as interações medicamentosas mais frequentes em um serviço es- extrapiramidais se associada a outros medicamentos que causam reações pecializado de saúde mental no município de Teresina – Piauí e discutir extrapiramidais (KAPLAN et al. 2007) Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, Teresina. v.5, n.1, p.9-15, Jan-Fev-Mar. 2012.
Interações medicamentosas entre psicofármacos em um serviço especializado de saúde mental Na classe dos ISRS destaca-se a fluoxetina que atua por meio da ini- Quanto às interações medicamentosas do ácido valpróico podem bição seletiva da recaptação da serotonina, resultando em acúmulo desse ser destacadas: o aumento da ação e dos efeitos tóxicos do fenobarbital, o neurotransmissor nas sinapses nervosas. Indicada para o tratamento de aumento da ação da carbamazepina, o aumento dos riscos de toxicidade transtornos depressivos e de transtorno obsessivo-compulsivo, suas inte- com a fenitoína, a diminuição de sua ação pela fenitoína e pela carbama- rações medicamentosas incluem: o aumento do risco de reações adversas zepina e o risco de toxicidade hepática quando associado a outros medi- quando associada à clozapina, haloperidol, fenotiazinas, lítio ou fenitoína; camentos hepatotóxicos (KAPLAN et al. 2007). o aumento dos riscos de toxicidade da carbamazepina quando a ela asso- Os anticonvulsivantes são fármacos utilizados para tratamento de ciada e graves reações adversas com antidepressivos tricíclicos. Neste caso, crises convulsivas diversas tratando os sintomas da epilepsia. Existem di- as concentrações dos antidepressivos tricíclicos aumentam muito, e este versos fármacos utilizados para esse fim, entre eles as hidantoínas (feni- efeito que pode perdurar por três ou mais semanas após a interrupção da toína) e os barbitúricos (fenobarbital). A fenitoína parece atuar limitando fluoxetina (KAPLAN et al. 2007).
os disparos de potencias de ação repetitivos através do alentecimento da Os estabilizadores do humor são substâncias utilizadas para a taxa de recuperação da inativação dos canais de sódio ativados por volta- manutenção da estabilidade do humor, não sendo essencialmente an- gem, sendo indicada para tratamento de convulsões e estado epiléptico tidepressivas, nem sedativas. Internacionalmente reconhecem-se três substâncias capazes de desempenhar tal papel: o lítio, a carbamazepina, o As principais interações medicamentosas envolvidas com esse psi- ácido valpróico e mais recentemente o divalproato de sódio.
cofármaco são: diminuição da ação da carbamazepina; aumento de sua A indicação exclusiva para estabilizadores do humor são os trans- ação pela fluoxetina e pelo ácido valpróico; efeitos imprevisíveis quando tornos afetivos bipolares e os episódios de mania (euforia) ou de hipoma- associada ao fenobarbital e diminuição da sua ação, em função da dimi- nia.  O tratamento do transtorno afetivo bipolar sem estes estabilizadores nuição do limiar convulsivo, por antidepressivos tricíclicos, clozapina, ha- do humor se complica devido ao fato dos antidepressivos estarem sujeitos loperidol e fenotiazinas (KAPLAN et al. 2007).
a desencadear crises de euforia, assim como os sedativos terem probabili- O fenobarbital atua como depressor não seletivo do sistema ner- dade de desencadear a depressão. O mecanismo de ação desses fármacos voso central promovendo a ligação a receptores inibitórios GABA. Ele está não está completamente esclarecido e eles atuam de maneira distinta mais bem indicado para convulsão febril (em especial em crianças), epi- lepsia e, em alguns casos, como sedativo. O fenobarbital pode ter sua ação O lítio (carbonato de lítio) parece atuar por efeito estabilizador do aumentada pelo ácido valpróico e pode diminuir a ação de antidepressi- ânimo com uma redução na concentração de alguns neurotransmissores vos tricíclicos (GILMAN et al. 2003).
(catecolaminas), mediada possivelmente pelo efeito do íon lítio na enzima Os antipsicóticos ou neurolépticos são medicamentos inibidores adenosina trifosfatase Na+/K+-dependente, produzindo um aumento no das funções psicomotoras, como é o caso da excitação e da agitação. transporte transmembrana neuronal do íon sódio (RANG et al. 2001). Paralelamente eles atenuam também os distúrbios neuropsíquicos ditos Este fármaco é bastante indicado para o tratamento da doença psicóticos, tais como os delírios e as alucinações sendo utilizados, princi- maníaco-depressiva, sendo suas principais interações medicamentosas: palmente, no tratamento da esquizofrenia (SCHATZBERG et al. 2009).
aumento dos seus efeitos tóxicos pelo haloperidol e pela fluoxetina; dimi- Esses psicofármacos podem ser divididos em três classes: os neuro- nuição da ação das fenotiazinas (principalmente da clorpromazina); dimi- lépticos sedativos que são os antipsicóticos cujo principal efeito é a sedação; nuição de sua ação por antidepressivos tricíclicos e pode ter seus efeitos os neurolépticos incisivos que têm como efeito principal a remoção de delí- tóxicos mascarados pelas fenotiazinas (KATZUNG, 2003).
rios e alucinações e os neurolépticos atípicos que possuem uma diversidade A carbamazepina pode deprimir a atividade do núcleo ventral an- de ações se mostrando um novo e valioso recurso terapêutico nas psicoses, terior do tálamo, porém o significado não está completamente esclareci- principalmente naquelas refratárias aos demais antipsicóticos e nos casos do. Como antineurálgico pode atuar no SNC diminuindo a transmissão de intolerância aos efeitos colaterais extrapiramidais (KAPLAN et al. 2007).
sináptica ou a adição da estimulação temporal que dá origem à descarga Apesar dos neurolépticos tradicionais bloquearem receptores neuronal. Outras indicações importantes inclui o tratamento da epilepsia adrenérgicos, serotoninérgicos, colinérgicos e histaminérgicos, todos eles têm em comum a ação farmacológica de bloquearem os receptores do- Por ser indutora enzimática de várias enzimas (isoformas CYP3A4 paminérgicos. Quase todos os antipsicóticos reduzem a atividade motora e CYP2C do citocromo P450 e a UDP-glicuronosiltranferase) ela interage espontânea e, entre seus efeitos colaterais, está o acometimento do siste- diminuindo a ação de diversos fármacos entre eles a fenitoína, o fenobar- ma motor extrapiramidal (KATZUNG, 2003). bital, os benzodiazepínicos, o ácido valpróico, o haloperidol e a risperido- As reações extrapiramidais têm como sintomas a dificuldade de na; além disso, pode aumentar os riscos de depressão no sistema nervoso falar ou de engolir, a perda do controle dos movimentos harmônicos, face central quando associada a antidepressivos tricíclicos (KATZUNG, 2003).
sem expressão (como máscara), andar arrastado, inflexibilidade dos braços O ácido valpróico pode atuar através do aumento direto ou secun- e pernas, tremor e agitação das mãos e dedos (KATZUNG, 2003).   dário das concentrações do neurotransmissor inibidor GABA, possivel- O haloperidol é um antipsicótico incisivo. Ele produz um bloqueio mente causado pela redução de seu metabolismo ou sua recaptação nos seletivo sobre o SNC por bloqueio competitivo dos receptores dopami- tecidos cerebrais e atua, também, prolongando a recuperação dos canais nérgicos pós-sinápticos, no sistema dopaminérgico mesolímbico, e um de sódio ativados por voltagem no estado de inativação (efeito observado aumento do intercâmbio de dopaminas no nível cerebral. Esse medica- em outros anticonvulsivantes como a carbamazepina e a fenitoína). A dro- mento é indicado para o tratamento de distúrbios psicóticos agudos e ga tem indicação, principalmente, para o tratamento da epilepsia e como crônicos que incluem esquizofrenia, estados maníacos e psicose induzida coadjuvante no tratamento das crises mistas da epilepsia e do transtorno por fármacos, além de indicados para pacientes agressivos e agitados e bipolar do humor (GILMAN et al. 2006).
para problemas graves de comportamento (RANG et al. 2001).
Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, Teresina. v.5, n.1, p.9-15, Jan-Fev-Mar. 2012.
Essa droga pode ter sua ação diminuía pelo fenobarbital, carbama- Atualmente o ambulatório do HAA conta com uma equipe multipro- zepina e fenitoína e pode aumentar as reações adversas quando associado fissional composta por psiquiatra, enfermeira, psicóloga, odontólogo, tera- à fluoxetina, ao lítio, aos antidepressivos tricíclicos ou a medicamentos que peuta ocupacional e assistente social. O atendimento ao usuário é realizado causam reações extrapiramidais (KAPLAN et al. 2007).
por demanda espontânea e a marcação de consultas ocorre no horário de As fenotiazinas (clorpromazina, levomepromazina) são antipsicó- 06:30 às 17:00 horas de segunda a sexta . No ano de 2011 foram realizados ticos sedativos e atuam bloqueando os receptores pós-sinápticos dopa- 27.571 atendimentos por toda a equipe multidisciplinar, evidenciando as- minérgicos mesolímbicos no cérebro. Desta forma, são indicados para sim a importância deste serviço para os usuários do sistema de saúde men- diversos distúrbios psicóticos como esquizofrenia e problemas de com- tal do Estado do Piauí, bem como para as regiões Norte e Nordeste do Brasil.
portamento (KAPLAN et al. 2007).
Inicialmente, o projeto de pesquisa foi submetido à apreciação Os autores ainda afirmam que suas interações medicamentosas da diretoria do Hospital Areolino de Abreu para obtenção do termo de são semelhantes e compreendem: o aumento da ação de antidepressivos aquiescência. E em seguida iniciada a execução da coleta de dados, utili- tricíclicos, a diminuição de sua ação pelo lítio, riscos de causar queda da zando-se da pesquisa documental em receituários médicos, com preser- pressão sanguínea quando associada a outros medicamentos que causam hipotensão e aumento dos riscos de reações extrapiramidais quando asso- Foram selecionadas e analisadas 131 prescrições médicas dos usu- ciada a outros medicamentos que causam reações extrapiramidais.
ários em tratamento ambulatorial, no período compreendido de janeiro a Existem diversos antipsicóticos atípicos disponíveis para o tratamento fevereiro de 2011, sendo posteriormente separadas em grupos conforme de distúrbios psicóticos possuindo uma superioridade terapêutica sobre os o número de medicamentos. Foram selecionados os quinze psicofárma- demais antipsicóticos, principalmente por causaram menos efeitos colaterais cos mais prescritos no serviço de saúde.
extrapiramidais. Entre esses está a risperidona, cujo mecanismo de ação é des- A partir do levantamento dos dados, foi elaborado um quadro com conhecido, embora se acredite que sua atividade seja devido um bloqueio as possíveis interações medicamentosas relacionando os fármacos mais combinado dos receptores dopaminérgicos D2 e dos receptores serotoninér- prescritos. Desta forma, o quadro foi utilizado para avaliar o número de gicos S2 (antagonista dopaminérgico-serotoninérgico) (GILMAN et al. 2006).
associações medicamentosas presentes em cada prescrição médica; além  A risperidona tem diversas indicações sendo utilizada como coad- disso, foram destacadas, entre elas, as mais frequentes e realizadas compa- juvante no tratamento de mudanças do comportamento ou transtornos rações entre os resultados obtidos para as prescrições analisadas.
afetivos em pacientes com deficiência mental e no tratamento da esqui-zofrenia aguda ou crônica. Tem eficácia similar aos demais antipsicóticos, 3 RESULTADOS
mas com um perfil vantajoso de efeitos adversos, apresentando efeitos co-laterais extrapiramidais brandos em apenas 17% dos pacientes, enquanto No levantamento dos 15 psicofármacos presentes nas 131 prescri- a clozapina parece atuar devido ao bloqueio dos receptores dopaminérgi- ções médicas do serviço de saúde em estudo foram identificados o quan- cos, tanto D1 como D2, no sistema límbico (RANG et al. 2001). titativo e as possíveis interações medicamentosas com a referida amostra, Nos estudos realizados essa droga apresenta excelente perfil te- rapêutico e não provoca efeitos colaterais extrapiramidais, porém pode causar graves problemas hematológicos; por isso, outros antipsicóticos atípicos são ainda mais vantajosos como a olanzapina e a quetiapina. A risperidona pode aumentar a ação da fenitoína, provocar aumento das reações adversas com lítio e provocar queda na pressão arterial se associa-da a outros medicamentos que causam hipotensão (KAPLAN et al. 2007).
A prometazina tem propriedades bloqueadoras H1 histaminérgi- cas, antimuscarínicas e sedativas. É utilizada para enjôo em viagem, náu-sea, rinite alérgica e sedação. Na psiquiatria pode diminuir o limiar para crises epilépticas e exigir acertos de dose de anticonvulsivantes, pode aumentar os riscos de reações extrapiramidais quando associada a outros Quadro 01: Possíveis interações entre alguns dos principais medi- medicamentos que causam reações extrapiramidais e pode aumentar os camentos sujeitos a controle especial utilizados no Hospital Areolino de riscos de toxicidade no fígado quando associada a outros medicamentos hepatotóxicos (GILMAN et al. 2003). MATERIAL E MÉTODO
   ode aumentar a ação e/ou os efeitos tóxicos.
Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo que buscou analisar as    ode diminuir a ação (exigindo aumento de doses).
     ode ter seus efeitos tóxicos mascarados.
interações medicamentosas entre os principais medicamentos sujeitos a con-      ode ter efeitos imprevisíveis e/ou reações adversas graves.
trole especial presentes em prescrições médicas no Hospital Areolino de Abreu.
     ode aumentar os riscos de reações extrapiramidais. O local de desenvolvimento desta pesquisa foi no Ambulatório In-    ode aumentar o risco de queda da pressão sangüínea.
tegrado de Saúde Mental do Hospital Areolino de Abreu (HAA) localizado : P  ode aumentar os riscos de toxicidade no fígado.
na Rua Joe Soares Ferry, 2420, bairro Primavera na cidade de Teresina – Piauí. O referido serviço de saúde é referência no atendimento ao paciente Fontes: CAETANO, N. BPR – Guia de Remédios. São Paulo, 11. ed., 2012.
GILMAN, A.G. As bases farmacológicas da terapêutica. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 3. ed. 2003.
Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, Teresina. v.5, n.1, p.9-15, Jan-Fev-Mar. 2012.
Interações medicamentosas entre psicofármacos em um serviço especializado de saúde mental Na execução da pesquisa permitiu-se realizar uma contagem das da frequência das interações medicamentosas, sem um aprofundamento interações medicamentosas com uma boa dinâmica, pois foi possível ana- acerca do assunto. Podemos constatar também que a ausência de uma lisar uma amostra representativa de prescrições médicas em tempo razoá- base de dados computadorizada dificulta a comparação de resultados e vel, conforme quadro 02. Porém, para uma análise com número maior de consolidação de informações sobre as interações existentes entre os psi- prescrições médicas, seria necessário o uso de programas de computador com banco de dados apropriados que permitissem maior economia de Dentre as prescrições médicas analisadas neste estudo, poucas apresentavam mudanças na posologia que pudessem diminuir a possibi-lidade de interações medicamentosas e na maioria das vezes os medica- Quadro 02: Avaliação do número de interações medicamentosas, mentos eram prescritos com posologia semelhante. entre os principais medicamentos sujeitos a controle especial, presente Constatamos que mudanças vantajosas na posologia dos medica- em prescrições para pacientes ambulatoriais. Teresina, 2011. mentos podem ser feitas em algumas dessas prescrições médicas conhe-cendo-se a meia-vida e o pico de ação dos fármacos associados; porém, em muitas prescrições, essas mudanças são difíceis devido ao número elevado da administração diária que o paciente necessita e a utilização de fármacos com meia-vida longa. Além disso, quando o quadro do paciente exige o uso de muitos fármacos, é difícil evitar o uso concomitante destes.
Neste sentido percebemos um aumento na prescrição de psicofár- macos com a combinação de vários medicamentos para o controle dos sintomas psíquicos dos transtornos mentais. No gráfico 01 foi possível identificar as interações mais frequentes Corroborando com o contexto exposto, um estudo realizado em e constatou-se maior chance de ocorrência de reações extrapiramidais, uma cidade localizado no sudoeste paulista apresentou, entre os anos ratificando o resultado apresentado no quadro 01. de 2002 e 2006, um aumento de 280% na administração de vários psi-cofármacos dispensados à população pela Rede Pública de Saúde (LAMB, Gráfico 01: Quantificação das mais frequentes interações medica- mentosas, em porcentagem, nas prescrições médicas para pacientes am- Durante a execução deste estudo percebeu-se que a incidência de bulatoriais no Hospital Areolino de Abreu. Teresina, 2011.
interações medicamentosas que podem ocasionar reações adversas foi significativa, alcançando 6% das interações, sendo na maioria a associação de fenitoína e fenobarbital. Esse tipo de associação pode ser preocupante, principalmente, no tratamento a nível ambulatorial, visto que não se tem o contato diário com o cliente, assim a prescrição deve ser cautelosa e bem analisada antes de prescrita. Fenobarbital e fenitoína foram, durante muitos anos, as únicas op- ções terapêuticas disponíveis para o tratamento das epilepsias, e o uso isolado ou associação dessas duas drogas era a base do tratamento. Havia, inclusive, apresentações comerciais que já associavam essas duas medica-ções (KATUZUNG, 2003).  O autor ainda informa que as interações medicamentosas ocorrem D®Há maior chance de reações extrapiramidais.
devido à alteração da farmacocinética e da farmacodinâmica de uma de- ¯®Pode haver diminuição da ação pela carbamazepina.
terminada droga provocada pela adição de um novo medicamento ao tra- x®Pode haver reações adversas graves.
tamento. Como as drogas antiepilépticas possuem uma janela terapêutica * àOutras interações medicamentosas.
estreita, ou seja, a dose terapêutica está muito próxima da dose tóxica, o tratamento medicamentoso do paciente epiléptico deve ser individuali- DISCUSSÃO
Importa ressaltar que os pacientes ao usarem psicofármacos de- Uma dificuldade existente na prática psiquiátrica é a escolha das vem ser orientados quanto ao surgimento de possíveis reações adversas medicações para os diversos quadros clínicos. Desta forma, é bastante co- e a não interromper o tratamento de forma abrupta, considerando que a mum na prática substituições apressadas de medicamentos, ou seu uso interrupção pode agravar o estado da doença. Ressalta-se ainda que os em subdoses e, principalmente, a associação de psicofármacos de dife- mesmos não devam ingerir álcool durante o tratamento e devem tomar cuidado ao operarem máquinas pesadas devido ao risco de sonolência Neste contexto, faz-se uso da polifarmácia, ou seja, do uso conco- mitante de vários psicofármacos, o que acarreta no aumento da possibi- Durante a realização da referida pesquisa percebemos outra com- lidade de interações medicamentosas. Esta realidade pode ser justificada binação medicamentosa nas prescrições médicas dos pacientes ambula- pelo crescimento significativo das possibilidades de combinações medi- toriais com dois medicamentos , o diazepam e a amitriptilina , represen- No panorama brasileiro existem poucos estudos sobre interações Os benzodiazepínicos foram introduzidos na terapêutica na década medicamentosas, visto que a maioria deles fica restrita a quantificação de 1960, são fármacos depressores do Sistema Nervoso Central (SNC), uti- Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, Teresina. v.5, n.1, p.9-15, Jan-Fev-Mar. 2012.
lizados como hipnóticos, ansiolíticos, anticonvulsivantes e miorrelaxantes, palmente a estabilização do humor, dentre elas destacamos a carbamaze- sendo o diazepam o psicofármaco mais conhecido dessa classe e bastante pina. Esse psicofármaco foi sintetizado em 1957 e introduzido no mercado usado pela população (CRUZ et al. 2000). europeu em 1960 como tratamento da epilepsia e atualmente é utilizado Um estudo transversal realizado em Serviço Municipal de Saúde de no tratamento da mania aguda, bipolar misto e transtornos convulsivos Coronel Fabriciano, Minas Gerais, evidenciou que dentre os benzodiazepí- nicos prescritos para os usuários do serviço de saúde o mais utilizados foi Os autores ainda fazem um alerta com relação a esse medicamen- o diazepam e que o uso indiscriminado e excessivo desses fármacos pode to, pois como o mesmo apresenta propriedades antiepilépticas, neurotró- expor os pacientes a efeitos adversos desnecessários e interações medica- picas e agente psicotrópico, o paciente que faz uso deste fármaco deve mentosas potencialmente perigosas (FIRMINO et al. 2011).
ter cuidado ao dirigir, ao manusear máquinas ou ao realizar trabalhos que A depressão caracteriza-se por ser um transtorno crônico e recor- exijam atenção e coordenação. E em casos de pacientes idosos podem rente que se caracteriza por um ou mais episódios depressivos, com pelo ser mais sensíveis que os jovens à agitação e confusão, bloqueio cardíaco menos duas semanas de humor deprimido associado a sintomas como: auriculoventricular ou bradicardia induzidos pela carbamazepina. pessimismo persistente, sentimentos de culpa, dificuldade de concentra-ção, desamparo, diminuição do desejo sexual, aumento da irritabilidade, CONSIDERAÇÕES FINAIS
insônia e perda de apetite (GRAEFF; GUIMARÃES, 2005).
O tratamento dessa patologia consiste em: psicoterapia e terapia Em face do exposto, a execução deste estudo permitiu constatar a medicamentosa com antidepressivos. Os medicamentos utilizados per- presença de um grande número de possíveis interações medicamentosas, tencem às seguintes classes: antidepressivos tricíclicos (ADTs), inibidores pois vários fármacos têm ação sobre o metabolismo de outros e muitas seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs), inibidores seletivos da re- vezes o mecanismo de ação ou os efeitos colaterais se sobrepõem aumen- captação da serotonina e noradrenalina (ISRSNs), inibidores da monoami- nooxidase (IMAOs) e os antidepressivos atípicos (ISTILLI et al. 2010).
Assim, percebeu-se a necessidade de procurar artifícios que dimi- Atualmente existem mais de 20 antidepressivos de distintas classes nuam as chances de prejuízos devido a essas interações. Porém, apesar de sendo comercializados no Brasil. Outros são disponibilizados apenas em observado que a substituição por fármacos mais modernos pode diminuir farmácias de manipulação ou são comercializados apenas no exterior. A essas interações, é necessária muita cautela para realizar a substituição de maioria tem sua eficácia bem estabelecida e até o presente momento não medicamentos sendo necessário o conhecimento preciso em relação ao foi comprovada a superioridade em eliminar os sintomas depressivos de diagnóstico e ao arsenal terapêutico disponível. uma droga sobre as demais (GREVET et al. 2005).
Destacamos outro fator que dificulta essa substituição que consiste Conforme os autores, na escolha desses psicofármacos deve ser le- no elevado preço dos fármacos mais modernos. Desta forma, uma alter- vado em consideração fatores como o paciente, o quadro que apresenta, nativa para redução das possíveis interações medicamentosas ao alcance além da própria experiência do médico e levar em conta, sobretudo, a dos profissionais é a modificação na posologia dos medicamentos levan- aceitação pelo paciente, a tolerância e o custo.
do em conta os princípios farmacocinéticos dos medicamentos. A droga amitriptilina pertence à classe dos antidepressivos tricí- Portanto, faz-se necessário a realização de estudos mais apro- clicos e no momento de combinar esse fármaco com outras drogas de- fundados levando em consideração não apenas as possíveis interações vem ser bem analisadas as possibilidades de interações medicamentosas medicamentosas; mas também o número real dessas interações por meio ,especialmente quando se trata da população idosa , devido ao uso de do acompanhamento de pacientes e estudos de farmacovigilância com outros medicamentos como anti-hipertensivos, anticolinérgicos e anesté- vistas a uma análise mais abrangente do real impacto das interações me- dicamentosas sobre a eficácia terapêutica.
A possibilidade de haver diminuição da ação pela carbamazepina Desta forma, este estudo é relevante, pois se configura em um ins- também é elevada, pois esse medicamento interage dessa forma com me- trumento para disseminar mais conhecimentos sobre a temática e, além tade dos demais medicamentos selecionados neste estudo. A frequência disso, serve como um alerta para os profissionais da saúde mental procu- dessa associação foi bastante elevada nas prescrições médicas analisadas. rarem conhecer mais sobre os psicofármacos e suas interações, melhoran- Dessa forma, pode ser observado que a substituição da carbama- do suas orientações aos usuários e familiares, tornando assim seu cuidado zepina por outro fármaco pode diminuir o número de possíveis interações mais especializado e eficaz e contribuindo de forma mais efetiva para a medicamentosas. Todavia, a substituição de fármacos utilizados para tra- tamento de transtornos mentais nem sempre é possível, além de exigir Espera-se ainda que a pesquisa possa servir como fonte de infor- uma análise aprofundada sobre diagnóstico do paciente, a existência de mação para estudantes, pesquisadores, ou outros profissionais em futuros diversas patologias que podem estar envolvidas e as diferentes indicações estudos e ou intervenções, colaborando, dessa forma, para a construção do conhecimento na área da psicoframacologia.
Na última década deu-se uma atenção crescente ao uso de medi- cações anticonvulsivantes clássicas na psiquiatria para promover princi- Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, Teresina. v.5, n.1, p.9-15, Jan-Fev-Mar. 2012.
Interações medicamentosas entre psicofármacos em um serviço especializado de saúde mental REFERÊNCIAS
ARAÚJO, D.S; SILVA, H.R.R.; FREITAS, R.M. Carbamazepina: uma revisão da GREVET, E. H.; CORDIOLI, A.V; Depressão maior e distimia algoritmo. In: literatura. Rev. Eletron. de Farmácia., São Paulo, v.8, n.4, p.30-45, jan.
Cordioli A. V. Psicofármacos: consulta rápida. 2. ed. Porto Alegre:
CAETANO, N. BPR – Guia de Remédios. São Paulo, 11. ed. 2012
GREVET, E. H; CORDIOLI, A.V; FLECK, M.P.A. Depressão maior e disti-
mia: diretrizes e algoritmo para o tratamento farmacológi-

CARLINI, E. A; et al. Drogas psicotrópicas- o que são e o que fazem. Rev.
co. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005, p.317.
IMESC, São Luís, v1, n.3, p.9-35, dez. 2001.
RANG, H. P et al. Farmacologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara
COSTA, M. K. D. O raciocínio psicofarmacológico na prática clínica. Rev.
Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, v.10, n.3, p.504-516, set. 2007.
ISTILLI, P. T et al. Antidepressivos: uso e conhecimento entre estudantes CRUZ, A. V; et al. Uso crônico de diazepam em idosos atendidos na rede de enfermagem. Rev. Latino-Am Enfermagem, São Paulo, v.18, n.3,
pública em Tatuí-SP. Rev. Ciên. Farm. Básica Apl. São Paulo, v.27,n.3,
KAPLAN, H. I et al. Compêndio de Psiquiatria: Ciências do Com-
FIRMINO, K. F; et al. Fatores associados ao uso de benzodiazepínicos no portamento e Psiquiatria Clínica. Tradução: Dayse Batista. 7. ed.
serviço municipal de saúde da cidade de Coronel Frabriciano, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública, São Paulo, v.27, n. 6, p.1223-1232,
jun. 2011.
KATZUNG, B. G. Farmacologia básica e clínica. 10. ed. Rio de Janei-
ro: Guanabara Koogan, 2003.
GENTIL, V; et al. Clomipramine-induced mood and perceived perfor-
mance changes in selected normal individuals. Journal of Clinical
LAMB, I. G. M. A prescrição de psicofármacos em uma região de
Psychopharmacology, New York, v.27, n.1, p. 314-315, 2007.
saúde do Estado de São Paulo: Análise e reflexão sobre uma
prática
. 2008. Dissertação de mestrado não publicada, Universidade
GILMAN, A. G et al. As bases farmacológicas da terapêutica. 10.
ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.
MORENO, R. A et al. Psicofarmacologia de antidepressivos. Rev Bras
GILMAN, A. G; et al. As bases farmacológicas da terapêutica. 12.
Psiquiatr., São Paulo, v. 21, n.1, p. 24-40, jan.1999.
ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.
SCHATZBERG, A. F et al. Manual de Psicofarmacologia Clínica. 7.
GRAEFF, F. G; GUIMARÃES, F. S Fundamentos de Psicofarmacolo-
ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.
gia. 2. ed. São Paulo (SP): Atheneu, 2005.
Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, Teresina. v.5, n.1, p.9-15, Jan-Fev-Mar. 2012.

Source: http://www.novafapi.com.br/sistemas/revistainterdisciplinar/v5n1/pesquisa/p1_v5n1.pdf

Microsoft word - ipm working group - hedlund comments and text.doc

IPM WORKING GROUP – WEBSITE INFORMATION PESTICIDE APPLICATION REGULATIONS Countries will differ in the specific requirements relating to pesticide application. The United States has a basic Federal laws which are the minimum requirement for States to enforce. States are allowed to make stricter requirements as they see appropriate. Pesticides must be registered at the Federal level

Ibuhxakut200mg_ftbl_626438_148x620.qxp

IbuHXakut200mg_Ftbl_626438_148x620.qxp 10.12.2008 09:20 Seite 1 Gebrauchsinformation: Information für den Anwender IbuHEXAL® akut 200 mg Filmtabletten Zur Anwendung bei bei Kindern ab 6 Jahre, Jugendlichen und Erwachsenen Wirkstoff: Ibuprofen Lesen Sie die gesamte Packungsbeilage sorgfältig durch, bevor Sie mit der Einnahme die- ses Arzneimittels beginnen. Dieses Arzneimittel i

Copyright © 2010-2014 Find Medical Article