Australian people can buy antibiotics in Australia online here: http://buyantibioticsaustralia.com/ No prescription required and cheap price!

Microsoft word - documento39

30/09/2006 - Aborto, uma opção perigosa para a mulher A manicure Carla, de 39 anos, optou pela tabelinha e camisinha no planejamento familiar. Num período de dez anos engravidou três vezes, todas interrompidas por meio de comprimidos de Cytotec. A universitária Isabel, de 25 anos, fez uma escolha difícil. Ainda adolescente e com o desinteresse do namorado pela paternidade, fez o aborto para não parar com os estudos. Ela pagou R$ 4 mil a uma clínica clandestina cercada de grades e câmeras na Capital. Carla e Isabel (nomes fictícios) são exemplos de uma prática comum no Brasil. O Código Penal pune o aborto, apesar de raramente ocorrerem prisões, as religiões condenam a interrupção e de tempos em tempos o assunto vem à tona por meio de promessas de mudança da lei. O Governo anunciou este mês a criação de um grupo de discussão que começa a trabalhar em janeiro. A sociedade finge que não vê a prática ilegal, enquanto o risco ao qual as mulheres se submetem aumenta à medida que é menor a quantidade de dinheiro para pagar pelo aborto. A situação de ilegalidade dificulta a transparência do problema, que para o atual Governo é de saúde pública. Segundo o diretor-técnico do Hospital e Maternidade Silvério Fontes, Marco Sérgio Duarte, o aborto já é a terceira causa das mortes maternas. De acordo com ele, a cada mês, são atendidos cerca de 39 casos de curetagem na instituição — o que equivale a pelo menos uma mulher por dia. A intervenção cirúrgica é feita para resolver complicações do aborto, seja ele espontâneo (o aborto acontece contra a vontade da mulher) ou provocado. A ilegalidade do aborto acaba por prejudicar o próprio sistema de saúde. Duarte explica que o Silvério Fontes é referência no atendimento dessas complicações. Na outra ponta frente a essa qualificação estão os reflexos causados pela clandestinidade — muitas pacientes ficam receosas em revelar a circunstância da prática. O médico fica sem informações para agir. Riscos ‘‘O abortamento é um problema de saúde pública’’, afirma Duarte. Ele explica que o problema de saúde pública se deve à rede de complicações que cerca uma paciente que abortou. Elas podem apresentar infecções, hemorragias, esterilização definitiva e problemas psicológicos para o resto da vida. Carla e Isabel têm sorte. Não tiveram complicações sérias. Isabel, aos 17 anos, contou com o apoio dos pais, mas a decisão pelo aborto foi só dela. Teve a sorte da família contar com recursos suficientes (ver depoimento) para pagar por uma clínica. O problema é que ela procurou um serviço clandestino, que pode se esquivar em caso de complicações. Alternativa No caso de Carla, a saída foi apelar para o Cytotec. Enquanto muitas mulheres usam o comprimido para conter uma gravidez acidental, a manicure transformou o aborto em método de planejamento familiar. Mãe de dois filhos, ela não queria um terceiro. Fez isso três vezes: o primeiro aborto foi feito aos 25 anos, o segundo aos 30 anos e o terceiro aos 31 anos. Neste último, procurou um médico da rede privada, que a alertou que o útero estava muito dilatado e que corria risco de vida. ‘‘É muito arriscado’’, conclui só agora sobre o Cytotec. O Ministério da Saúde aponta que em 2003 foram notificadas 1.880 intervenções pós-aborto no País. Mas a própria clandestinidade dificulta estatísticas sobre a interrupção da gravidez. Para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), elas variam de 730 mil a 940 mil ao ano. ‘‘De todos os abortos, acredita-se que 80% sejam provocados ou clandestinos’’, afirma Duarte. Depoimento Hoje, o aborto só pode ser feito nos casos de gravidez resultante de abuso sexual ou quando há risco de morte para a mãe. No começo do mês, o Governo se mostrou disposto a revisar a partir de janeiro o Código Penal de 1940 para descriminalizar a prática. Apesar da iniciativa, assim como em outras polêmicas, o embate será duro. Confira como se posicionam algumas das instituições sobre mudanças na lei: Governo — A favor A descriminalização do aborto é encampada abertamente por vários setores do Governo. O Palácio do Planalto concedeu carta branca para a formução de um grupo em janeiro que discutirá as mudanças necessárias que, além da mudança legal, devem incluir planejamento familiar e serviços específicos de atendimento. Em seguida, a discussão será estendida ao Congresso. O Ministério da Saúde aponta que o aborto é um problema de saúde pública. A secretária especial de Política para as Mulheres, Nilcéa Freire, incluiu a proposta no Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Supremo Tribunal Federal (STF) — Indeciso O ministro Marco Aurélio de Mello concedeu liminar que autorizou aborto para casos de anencefalia em julho, que foi cassada por sete dos 11 votos. Mas os contrários alegaram que o assunto não era urgente. Marco Aurélio de Mello mais os colegas Celso de Mello e Nelson Jobim defendem que o aborto não deve ser considerado crime. Confederência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) — Contra Por razões religiosas, sempre se posiciona contra a permissão do aborto. Recentemente, pressionou o STF pela cassação da liminar dos casos de anencefalia. Congresso — Indeciso O tema aborto está em discussão na Câmara há mais de dez anos, com a apresentação de pelo menos 102 propostas, segundo o link de busca do site da casa. Entre as principais propostas estão as de Jandira Feghali (PC do B-RJ), que autoriza o aborto até o terceiro mês de gestação. A também petista Ângela Guadagnin é contra a prática, mas defende plebiscito nacional. Já Severino Cavalcanti (PP-PE), representante da ala católica tradicional, é totalmente contra a descriminalização e considera a prática um ‘‘assassinato’’. Médicos — em termos A classe médica tem se mostrado em sua maioria a favor da descriminalização do aborto, apesar de uma parcela contrária ou dos que defendem limitações. Anibal Faundes e Ricardo Barini, da Unicamp, defendem a mudança legal.

Source: http://www.abortorecorrente.com.br/pdf/n47.pdf

Reunión de equipo

07/11/2013 Reunión de equipo Hora local 15:30 Málaga (España) Reunión convocada y organizada Tipo de reunión: Videoconferencia por: Spanish-Latin DILI Network. Dr. Raúl J. Andrade Bellido. Servicio de Digestivo. Hospital Universitario Virgen de la Victoria. Málaga Dra. Maribel Lucena González. Servicio de Farmacología. Facultad de Medicina. Universida

dept.econ.yorku.ca

policy space is still 1–dimensional — what level g of per capitaexpenditure to providestill 2 parties, trying to maximize probability of getting elected,still committing to policies gA and gBstill 2 parties, trying to maximize probability of getting elected,still committing to policies gA and gBstill 2 parties, trying to maximize probability of getting elected,still committing to policies g

Copyright © 2010-2014 Find Medical Article