Australian people can buy antibiotics in Australia online here: http://buyantibioticsaustralia.com/ No prescription required and cheap price!

(dr. luiz pimentel - cirurgi\343o pl\341stico, cirurgia pl\341stica, cirurgia est\351tica, medicina est\351tica)

Dr. Luiz Pimentel - Cirurgião Plástico, Cirurgia Plástica, Cirurgia Estéti.
http://www.luizpimentel.com.br/sobremim/hyaluronp.htm Injeção Local de Hialuronidase para Aumento da Sobrevivência de Retalhos Cutâneos — Estudo Experimental 1] Membro Titular da SBCP - Clínica Luiz Pimentel - Niterói, Rio de Janeiro,Brasil.
2] Professor Associado - Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho,Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.
UFRJ, Cidade Universitária, Ilhado Fundão - Rio de Janeiro - RJ.
R. Nilo Peçanha, 59Niterói - RJ24210-480 Unitermos: Hialuronidase e retalhos cutâneos; sobrevivência de retalhos cutâneos; retalhos cutâneos.
Observações clínicas realizadas previamente pelo autor senior(23) sugeriramque a injeção local de hialuronidase (HLD) aumenta a sobrevivência deretalhos cutâneos. Neste trabalho experimental, analisamos os efeitos da HLDem retalhos cutâneos de coelhos. Para tanto comparamos, após 7 dias dacirurgia, retalhos dorso-laterais de pedículo craneal, injetados diariamente com1 ml de HLD (200 U/ml, retalhos tratados) com retalhos injetados diariamentecom 1ml de soro fisiológico (controle 1) e com outros não injetados (controle2). A eficiência da hialuronidase foi confirmada pela percentagem de necrosenos retalhos (avaliada pela cor e enchimento capilar) que chegou a 1,47% ±2,91, 27,64% ± 25,89 e 30,14% ± 27,96 nos grupos tratado, controle 1 econtrole 2 respectivamente. Concluímos que a HLD é capaz de prevenirnecrose em retalhos cutâneos.
Dr. Luiz Pimentel - Cirurgião Plástico, Cirurgia Plástica, Cirurgia Estéti.
http://www.luizpimentel.com.br/sobremim/hyaluronp.htm Tem sido estudada, por muitos investigadores, a ação de várias substâncias como drogasvasoativas(6, 9, 10, 11, 14), antioxidantes(8), corticosteróides(22) e enzimas, inclusive ahialuronidase(16), na sobrevivência de longos retalhos cutâneos.
Desde 1929, quando o "fator de difusão" foi descoberto, as propriedades dessa enzima têm sidointensamente estudadas(12, 21). Foi identificada como enzima mucolítica, que despolimeriza ehidrolisa o ácido hialurônico, polisacarídeo essencial do tecido conjuntivo(20).
No início dos anos 50, foi clinicamente usada pela primeira vez em injeções intravenosas paratratamento do edema cerebral(25). Logo foi usada em casos de infarto agudo do miocardio, agindoaparentemente pela redução do edema intramiocárdico(18, 19). Em 1988, ações importante sobre asmacromoléculas da matriz extracelular foram demonstradas em um modelo experimental usando apele de coelhos(15), constatando-se que a injeção intradérmica da enzima degrada proteoglicanosdérmicos e que, devido à atividade da endoglicosaminidase, ocorre dissociação de feixes colágenosseguida por ressíntese dos proteoglicanos inicialmente degradados. Por outro lado, a estrutura dasfibras elásticas não é alterada.
A enzima foi usada para hidratação por hipodermóclise, e até mesmo foi publicado um trabalhorecente sobre esse uso em pacientes com câncer avançado(5).
Vários estudos, usando tanto por via intradérmica como subcutânea em áreas ou em torno de áreasde extravasamento venoso de substâncias tóxicas como nafcilina(26), CaCl2(24), soro hipertônico etetradecilsulfato de sódio usados em escleroterapia(27, 28), vinca-alcalóides e outras drogascitotóxicas(3, 4), demonstraram a efetividade da hialuronidase para prevenir necrose.
Neste trabalho, a hialuronidase foi injetada diretamente na pele e tecido subcutâneo de longosretalhos com a finalidade de aumentar a permeabilidade do tecido conjuntivo, supondo que istoaumente o fluxo de líquido intersticial para a base do retalho. Esperamos com isso aumentar adrenagem de metabolitos da extremidade do retalho para áreas mais distantes com vascularizaçãonormal, o que pode prevenir sua necrose. No modelo estudado, a hialuronidase representou umtratamento efetivo para a prevenção da necrose.
Dezoito coelhos, fêmeas da raça neozelandesa, brancas, pesando entre 2500 e 3000 gramas foramutilizadas. Todas foram mantidas sob as mesmas condições. Anestesiadas com ketaminaintramuscular (25 mg/ kg), diazepan (1 mg/kg) e atropina (1 ml) foram submetidas à tricotomia eantissepsia com povidine e álcool. O modelo experimental foi um retalho de pele dorso-lateral compedículo craneal, medindo 12,5 cm x 2,5 cm. Cada retalho foi descolado e recolocado em seu leitooriginal, por sutura contínua com nylon 3-0 monofilamentar (Figs. 1 e 2).
O estudo foi dividido em 2 grupos de 9 animais. No grupo I foram feitos 2 retalhos em cada animal.
Um retalho, aleatoriamente selecionado, foi injetado com a enzima (200 U/1 ml /dia -retalhostratados) e o retalho contralateral injetado com soro fisiológico (1ml/dia - retalhos controle 1) (Figs.
3 e 4). Aproximadamente 1 ml de HLD foi injetado nos dois terços distais do retalho, divididos eminjeções intradérmicas de 0,1 ml, uma vez ao dia, durante 7 dias, e da mesma forma com soluçãosalina no retalho do outro lado. No grupo II de animais foi levantado apenas um retalho por animal,observados também por 7 dias, porém sem nenhuma injeção (retalhos controle 2). Foram anotadosdiariamente a coloração e o enchimento capilar dos retalhos. As áreas sobreviventes e necróticasforam medidas após o sétimo dia.
O teste t de Student pareado foi utilizado para a análise comparativa da sobrevivência entre osretalhos tratados e controle 1. Na comparação entre os grupos de retalhos controle 1 e controle 2aplicou-se o teste t de Student não pareado. Os resultados foram expressos pela média ± o desviopadrão e foram considerados significantes num nível de 95% de confiança (p < 0,05).
Dr. Luiz Pimentel - Cirurgião Plástico, Cirurgia Plástica, Cirurgia Estéti.
http://www.luizpimentel.com.br/sobremim/hyaluronp.htm O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos da hialuronidase na sobrevivência de retalhoscutâneos. Com este propósito foram realizados experimentos controlados em coelhos, e longosretalhos cutâneos foram injetados com concentrações fixas da enzima e observados a intervalosregulares de tempo para verificar a ocorrência de necrose. Foram adotadas condições de controlediferentes não pareadas: retalhos injetados com soro fisiológico, chamados de retalhos controle 1 (ouC1) e retalhos não injetados, chamados de controle 2 (ou C2).A incidência e a extensão de necrosesforam indistinguíveis entre C1 e C2, como mostrado na Tabela I e exemplificado na Fig. 5.
A incidência e a extensão das lesões necróticas naqueles retalhos tratados com a HLD (comparadoscom C1 e C2) foram dramaticamente reduzidas como exemplificado na Fig. 6 e representadograficamente na Fig. 8 (dados na Tabela I). Apenas dois coelhos, dos nove testados, apresentaramnecrose do terço distal dos retalhos, em aproximadamente 6 % de seu comprimento (Fig. 6). Emoutros casos, houve reversão de alterações de cor, seguidas por sobrevivência completa durante aprimeira semana (Fig. 6). Foi observado um caso de epidermólise entre os retalhos tratados seguidapor reepitelização em 2 semanas (Fig. 7).
Vários estudos experimentais e clínicos continuam sendo realizados à procura de um método seguro eeficaz que garanta a viabilidade de longos retalhos cutâneos. Várias manobras físicas efarmacológicas têm sido tentadas em modelos experimentais(1, 2, 7, 13, 17). Nenhuma delas provouainda ser completamente eficiente contra a necrose de retalhos após grandes descolamentos, masimportantes avanços têm sido conseguidos.
A hialuronidase é uma enzima que reduz ou previne a necrose, presumivelmente por causar umarápida difusão de líquidos extravasados para áreas distantes do ponto de extravasamento, diminuindoa concentração, nesse ponto, de substâncias nocivas(3, 4, 24, 26, 27, 28), e permitindo então ummelhor retorno dos nutrientes. A rápida difusão de líquidos é provocada por uma temporáriaalteração do cimento intercelular pela ação da enzima(26), o que permite aumentar a superfícieabsortiva e conseqüentemente a taxa de nutrição celular, melhorando o fluxo capilar e intersticial denutrientes e metabolitos.
Nosso estudo analisou os efeitos da hialuronidase em retalhos cutâneos de coelhos, após 7 dias dacirurgia. Os dados mostram uma significante redução na incidência de necrose no grupo tratado coma enzima comparado com o grupo C1, sugerindo que a hialuronidase foi efetiva para aumentar asobrevivência dos retalhos. A hipótese de que os efeitos protetivos poderiam ser devidos à soluçãosalina de "per si" foi descartada porque os resultados deste grupo, C1, não foram estatisticamentediferentes daqueles do grupo C2, onde nada foi injetado nos retalhos.
Estes resultados confirmam observações preliminares em pacientes(23) mostrando que ahialuronidase foi efetiva para a sobrevivência de longos retalhos cutâneos. Embora as basesbioquímicas e histológicas para os efeitos protetivos da hialuronidase ainda não sejam claras, nós Dr. Luiz Pimentel - Cirurgião Plástico, Cirurgia Plástica, Cirurgia Estéti.
http://www.luizpimentel.com.br/sobremim/hyaluronp.htm acreditamos que em futuro próximo o emprego clínico dessa enzima na Cirurgia Plástica possa serseriamente considerado.
1. ADAMSON JE, HORTON CE, CRAWFORD IIW, et al. Studies on the action ofdimethyl sulfoxide on the experimental pedical flap. Plast. Reconstr. Surg.
1967; 39:142.
2. ARTURSON C, KHANNA NN. The effects of hyperbaric oxygen, dimethylsulfoxide, and complamin on the survival of experimental skin flaps. Scand. J.
Plast. Reconstr. Surg. 1970; 4:9.
3. BERTELLI G, DINI D, FORNO GB, GOZZA A, SILVESTRO S, VENTURINI M,ROSSO R, PRONZATO P. Hyaluronidase as an antidote to extravasation ofvinca-alkaloids: clinical results. J. Cancer Res.Clin. Oncol. 1994; 120:8-505.
4. BERTELLI G. Prevention and management of extravasation of cytotoxicdrugs. Drug. Saf. 1995; 12:4-245.
5. BRUERA E, DE STOUTZ ND, FAINSINGER RL, SPACHYNSKI K, SUAREZALMAZOR M, HANSON J. Comparison of two different concentrations ofhyaluronidase in patients receiving one-our infusions of hypodermoclysis. J.
Pain Symptom Manage. 1995; 10:7, 505-9.
6. CHEFFE MR, ZABEL A, ZAPATA J, ARAUJO M, CHEFFE LO. The use ofbuflomedil and pentoxifylline in increasing skin flap survival: a comparativestudy. Rev. Soc. Bras. Cir. Plast. Est. e Rec. 1996; 11:1, 7-12.
7. CHERRY G, GRAVV W. The effect of isoxuprine on muscle and skin flapsurvival in the pig. Plast. Surg. Forum.1975; 2:156.
8. COSTA IR. Increase in survival time of pedicule flaps with manitol (anexperimental study). Rev. Soc. Bras. Cir. Plast. Est. e Rec. 1996; 11:135-44.
9. DIAS LC, FOUSTANOS A, CARREIRÃO S, PITANGUI I. Ação farmacológicado cloridrato de buflomedil na vascularização dos transplantes livres deretalhos cutâneos. In XXI Congresso Brasileiro de Cirurgia Plástica. 1984;18-22.
10. DIAS LC, FOUSTANOS A, CARREIRÃO S, SOUZA FILHO S, PITANGUY I.
Influência do buflomedil na viabilidade de retalhos cutâneos. Rev. Bras. Cir.
1990; 80:2, 49-55.
11. DONCATTO LF, POZZAN R, RIBEIRO L, ACCORSI JR. A Ritidoplastia eabdominoplastia em pacientes fumantes: uso de droga vasoativa naprevenção de necrose do retalho. Rev. Bras. Cir. 1990; 80:2, 111-115.
12. DURAN-REYNALS F. The effect of extracts of certain organs from normaland immunized animals on the infecting power of vaccine virus. J. Exper.
Med. 1929; 50:327.
13. FINSETH F, ADELBERG MG. Prevention of skin flap necrosis by a course oftreatment with vasodilator drugs. Plast. Reconstr. Surg. 1978; 61:738.
14. GALLA TJ, BARKER JH, SAETZLER RK et al. Increase in skin flap survivalby the vasoactive drug buflomedil. Plast. Reconstr. Surg. 1989; 87:130-138.
15. GODEAU G, ROBERT AM. Action of testicular hyaluronidase onmacromolecules of the cutaneous extracellular matrix. Study by computerizedimage analysis. Pathol. Biol. 1988; 36:6, 833-8.
Dr. Luiz Pimentel - Cirurgião Plástico, Cirurgia Plástica, Cirurgia Estéti.
http://www.luizpimentel.com.br/sobremim/hyaluronp.htm 16. GROSSMAN JA, MCGONAGLE BA, DOWDEN RV, DINNER MI. The effect ofhyaluronidase and dimethyl sulfoxide (DMSO) on experimental skin flapsurvival. Ann. Plast. Surg. 1983; 11:3, 223-6.
17. KOEHNLCIN JE, LEMPERLE G. Experimental studies on the effect ofdimethyl sulfoxide on pedicle flaps. Surgery. 1970; 67:672.
18. MARTINS DE OLIVEIRA J, CARBALLO R, ZIMMERMAN HA. Intravenousinjection of hyaluronidase in acute myocardial infarction. Preliminary reportof clinical and experimental observations. Amer. Heart J. 1959; 57:712.
19. MARTINS DE OLIVEIRA J, LEVY MN. Effect of hyaluronidase upon thewater content of ischemic myocardium. Amer. Heart J. 1960; 60:106.
20. MEYER K. The action of hyaluronidase on hyaluronic accid. Ann. New YorkAcad. Sc. 1950; 52:1021.
21. McCLEAN D. The influence of testicular extract on dermal permeabilityand the response to vaccine virus. J. Pathol. & Bact. 1930; 33:1045.
22. NAKATSUKA T, PANG CY, NELIGANP et al. Effect of glucocorticoidtreatment on skin capilary blood flow and viability in cutaneous andmyocutaneous flaps in the pig. Plast. Reconstr. Surg. 1985; 76:3, 384.
23. PIMENTEL LAS. Injeção local de hialuronidase na prevenção e tratamentode necrose em retalhos cutâneos-nota prévia. In XI Congresso Ibero-Latino-Americano e XXXIII Cong. Bras. de Cir. Plást. 1996; 05-11.
24. RASZKA JR. WV, KUESER TK, SMITH FR, BASS JW. The use ofhyaluronidase in the treatment of intravenous extravasation injuries. J.
Perinatol. 1990; 10:2, 146-9.
25. SÁ EARP FA. Arq. Brasil. Med. 1954; 14:217.
26. ZENK KE, DUNGY CI, GREENE GR. Nafcillin extravasation injury. Use ofhyaluronidase as an antidote. Am. J. Dis. Child. 1981; 135:12, 1113-4.
27. ZIMMET SE. The prevention of cutaneous necrosis following extravasationof hypertonic saline and sodium tetradecyl sulfate. J. Dermatol. Surg. Oncol.
1993; 19:7, 641-6.
28. ZIMMET SE. Hyaluronidase in the prevention of sclerotherapy-inducedextravasation necrosis. A dose-response sudy. Dermatol. Surg. 1996; 22:1,73-6.
Rev. Soc. Bras. Cir. Plást. São Paulo v.14 n.1 p. 49-58 jan/abr. 1999 1999 Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica VOLTAR

Source: http://www.luizpimentel.com.br/meustrabalhos/Hyaluronidase.pdf

Structure-function relations of human hemoglobins

Structure-function relations of human hemoglobinshttp://www.pubmedcentral.nih.gov/articlerender.fcgi?artid=1484532 Note: Performing your original search, "hemoglobin koln" symptoms , in PubMed Central will retrieve 8 citations . Journal List > Proc (B ayl U niv M ed Cent) > v.19(3); Jul 2006Proc (Bayl Univ Med Cent). 2006 July; 19(3): 239–245. Copyright © 2

Portfoliostrategies.pdf

Building an ETF Portfolio:From the Simple to the Complex Portfolio Strategies By Maria Crawford Scott You can still keep it simple, even if you make it complex. is very complex. By following an all-index approach to portfolio The Bare Necessities building, your portfolio can be barebones minimalist or highly The simplicity or intricacy of your portfolio really 7KH WRWDO

Copyright © 2010-2014 Find Medical Article